• Antonio Fernando Pinheiro Pedro

A condenação de Derek Chauvin e o racialismo

A cidade americana de Minneapolis foi palco de uma tragédia emblemática: a morte de George Floyd.


Um vídeo gravado por pessoas que presenciaram a ação policial para a detenção e prisão de George, escancararam para o mundo a brutalidade da abordagem e o que demonstrou ser um ato de execução.


Os policiais envolvidos na operação foram demitidos com as desculpas expressas pelas autoridades, mas a frieza com a qual o policial Derek Chauvin estrangulou Floyd falou mais alto que qualquer escusa.


Processado criminalmente, Chauvin foi condenado por homicídio qualificado.


A Justiça se fez. Mas algo de fato me incomoda.


Nestes 36 anos de atividade profissional, atuei em milhares de processos, patrocinando a defesa de policiais militares, na justiça comum e militar. Como cidadão operador do direito, integrei a Comissão de Direitos Humanos da OAB/SP, sendo nomeado várias vezes pela presidência do Conselho Federal, como relator especial para investigar e apurar casos complexos de âmbito nacional.


Pude testemunhar casos graves de desrespeito aos mais comezinhos direitos da pessoa, discriminação e exclusão. Também enfrentei hipocrisias, esquerdismos, militância irresponsável e vitimismo.


A abordagem tratada no caso George Floyd foi de fato desastrosa. Revela o racismo estrutural e cotidiano seguidamente denunciado na atuação dos corpos policiais nos Estados Unidos (e não apenas lá).


Porém, me incomoda o populismo racialista protagonizado por grupos radicais em torno do assunto - nos EUA e aqui também no Brasil.


O populismo é uma tragédia. Ninguém ganha, todos perdem. O que sobra é o rancor social.


Racismo e racialismo são extremos de intolerância aparentemente opostos, porém próximos na ferradura que expressa o arco de posturas e ideologias identitárias do mundo político e social.


A meu ver, o resultado unânime do julgamento deve-se, não por conta da má ação praticada mas, primordialmente, ao fato do ex-policial ter se RECUSADO a testemunhar em defesa própria. Para o júri, a recusa é sinal de admissão integral da culpa.


Derek agiu mal, mas muito contribuiu para o fato trágico o procedimento padrão policial para o qual foi treinado. ISSO deverá, finalmente, mudar.


O grande aprendizado a ser absorvido nessa triste história é que no mundo transparente e globalizado atual, não há mais espaço para a intolerância, a insensibilidade burocrática e para o abuso no exercício da autoridade.


Fonte: https://www.theeagleview.com.br/2021/04/a-condenacao-de-derek-chauvin-e-o.html?m=1


Antonio Fernando Pinheiro Pedro é advogado (USP), jornalista e consultor ambiental. Sócio do escritório Pinheiro Pedro Advogados. Membro do Instituto dos Advogados Brasileiros – IAB e Vice-Presidente da Associação Paulista de Imprensa - API. É Editor-Chefe do Portal Ambiente Legal e responsável pelo blog The Eagle View".

Faculdade de Direito da UFMG

Av. João Pinheiro, nº 100 - Centro CEP 30130-180

Centro - Belo Horizonte Tel: 31-3409-8650

Escola Judicial Militar

Rua Tomáz Gonzaga, nº 686 - Lourdes CEP 30180-143

Belo Horizonte Tel: 3274-1566

faculdade_direito